quarta-feira, 26 de maio de 2010

RESENHAS

VOCÊ ESTÁ CONHECENDO O GÊNERO TEXTUAL RESENHA. MAS, AFINAL, O QUE É UMA RESENHA?... A RESENHA É UM GÊNERO MUITO UTILIZADO EM DIFERENTES ATIVIDADES E SOLICITADO POR PROFESSORES DE TODAS AS ÁREAS. ELA SE CARACTERIZA POR APRESENTAR INFORMAÇÕES SELECIONADAS E RESUMIDAS SOBRE O CONTEÚDO DE OUTRO TEXTO. ALÉM DAS INFORMAÇÕES, TAMBÉM TÊM OS COMENTÁRIOS E AVALIAÇÕES DO (A) AUTOR (A) DA RESENHA. ENFIM, UMA BOA RESENHA CONTÉM:
  • DADOS DA OBRA - LIVRO, FILME, PEÇA TEATRAL...
  • RESUMO DO OBJETO OU TEMA
  • COMENTÁRIO
  • VERBOS NO EIXO DO PRESENTE
PENSANDO, NO QUE FOI DITO ACIMA, LEIA ALGUMAS RESENHAS:

Ponte Para Terabítia

Título original: Bridge to Terabithia
País de origem: EUA
Ano: 2007
Gênero: Drama
Censura: Livre
Direção: Gabor Csupo
Elenco: Josh Hutcherson, AnnaSophia Robb, Zooey Deschanel e Robert Patrick.

Eu nunca vou entender porque alguns filmes são vendidos como algo que eles não são. Se um cara assiste a um drama pensando que era uma comédia, vai sair dali revoltado e se sentindo enganado. Esse é mais ou menos o caso de Ponte Para Terabítia. Vi seu trailer algumas dezenas de vezes, já que a Imagem Filmes o colocou antes de quase todas as suas cabines dos últimos meses (o que mostra o quanto a distribuidora acredita nele). Particularmente, não sei dizer se o mesmo teve tamanha veiculação no cinema comercial, mas acredito que sim, então imagino que você já o tenha visto.
Pelo trailer, é fácil imaginar do que se trata. Duas crianças encontram um mundo mágico e nele vão viver grandes aventuras. A sensação de que se trata de um Crônicas de Nárnia genérico (embora mesmo assim me parecesse bem simpático) é grande e isso é ainda enfatizado quando aparece que o filme é dos mesmos criadores do filme supracitado. Sinceramente, nenhum dos nomes de que me lembro no filme do guarda roupa estão aqui. Conversando com o assessor de imprensa da imagem, fiquei sabendo que eles se referem à Weta Digital, responsável pelos efeitos especiais. Ora bolas, se quem faz os efeitos é o criador, quer dizer que quase todos os filmes dos anos 80 podem dizer que são dos mesmos criadores de Star Wars, já que a Industrial Light And Magic era quase um monopólio da área na época? Esse é o tipo de chamariz que chega a ser desonesto e que serve apenas para enganar trouxas. E Terra Para Terabítia, sinceramente, não precisava disso. Nem mesmo tem a ver com o livro de C.S. Lewis, pois não é mesmo uma história de fantasia, mas um conto sobre a amizade de duas crianças e como lidar com as perdas. Talvez seja inclusive o primeiro (ou um dos primeiros, pois não me lembro de outro) drama para crianças da história (já que filmes infantis estadunidenses são quase sempre comédias), o que deixa ainda mais triste que os responsáveis tenham optado por divulgá-lo como uma fantasia infantil genérica, onde Crônicas de Nárnia inevitavelmente continuaria reinando supremo.
Os protagonistas são dois nerds. O garoto, Jess (Josh Hutcherson), é constantemente incomodado pelos bullies de sua escola. Sem amigos, ele passa boa parte de seu tempo desenhando. A garota, Leslie (AnnaSophia Robb), é nova na escola e também não tem amigos. Ela já prefere usar sua criatividade através da escrita. Logo, os dois descobrem que são vizinhos e ficam amigos.
Um dia, eles vão passear na floresta que fica perto da casa deles (como assim? Depois estadunidense vem achar que nós é que moramos perto de floresta?) e decidem criar um lugar só para eles, longe dos bullies babacas e das dificuldades da família. Eles chamam esse lugar de Terabítia e lá vão usar a imaginação para se divertir e se expressar através da fantasia. E isso é que separa este dos demais filmes de fantasia. Não só é tudo imaginação deles, como também é uma parte muito pequena da história. Aquelas partes cheias de bichos mágicos e cenários belíssimos que vemos nos trailers estão todas concentradas em duas cenas e em todo o resto, trata-se de um filme bem realista. Em determinado momento, acontece algo completamente inesperado para um filme infantil e, justamente por isso, genial. Me pegou completamente de surpresa e provavelmente isso vai acontecer com você também.
A narrativa me lembrou um pouco as aventuras do tremendão Calvin com seu tigre de pelúcia Haroldo, criação máxima de Bill Waterson. Assim como Calvin, os protagonistas deste são crianças solitárias e criativas que encontram uma válvula de escape através da fantasia. Particularmente, me identifico bastante com isso e acho que boa parte dos delfonautas também. Outra semelhança com as tirinhas do loirinho é o tom dramático, mas positivo, com que a história é contada. Basicamente, acho que isso é o ponto principal do Calvin e apostaria que quem gosta de suas tirinhas tem tudo para gostar muito de Ponte Para Terabítia.
O longa peca em alguns aspectos. A tentativa de justificar o bullying mostrando que os babacas têm pais abusivos é clichê e desnecessário, já que nós sabemos que a raça humana não precisa de motivo para ser má. Nós simplesmente gostamos de ver as pessoas sofrendo. Em outros momentos, sobretudo no primeiro terço de filme, a narrativa é um pouco lenta demais, principalmente se você, como eu, estiver ansioso para um longa de fantasia.
O legal é que agora que você leu essa resenha, já sabe exatamente o que esperar desse filme. Um drama infantil com muito sentimento e que gera muita simpatia com os protagonistas. Principalmente se você também foi (ou é) uma criança nerd, solitária e criativa. Se for seu caso, Ponte Para Terabítia é extremamente recomendável e não levou o Selo Delfiano Supremo por muito pouco. Mas não esqueça de levar um lencinho pra chorar.
Acesso em: 26/05/2010

SUPER TERRA DO NUNCA

Ele usa roupas verdes, adora ouvir histórias e teima que não quer crescer. Sua melhor amiga é uma fadinha. Adivinhou quem é? Isso mesmo, Peter Pan.
Amanhã (dia 22), no teatro, estreia uma nova versão sobre o garoto. A história é aquela que você já conhece: tem Wendy, os garotos da Terra do Nunca, o Capitão Gancho e os piratas. Mas agora ela tem recursos de superprodução: quatro cenários que giram, 27 atores e até imagens em 3D!

Ah, tem outro detalhe também: Peter, agora, está com um cabelo diferente, meio vermelho, meio rosa.


Peter Pan. HSBC Brasil. R. Bragança Paulista, 1.281, Chácara Santo Antônio, São Paulo. (11) 4003-1212. Sábados e domingos, às 16h30. De R$ 60 a R$ 160. Até 30/5.
Fernanda Araújo
Publicado em 21/05/2010
Acesso em: 26/05/2010

CIÊNCIA SEM MISTÉRIO

Você já levou um choque só de encostar em um amigo? Um dia, penteando o cabelo, descobriu que os fiozinhos ficavam voando na direção do pente? Então, essas coisas “misteriosas” que acontecem com a gente são efeitos da física e da química. Mas isso tudo você vai estudar direitinho nos próximos anos.

Enquanto isso, no Espaço Catavento você pode se divertir com uma porção de brincadeiras científicas. Ali, você encontra uma bola capaz de arrepiar os cabelos. E descobre que sua força é suficiente para levantar seu pai da poltrona.
Mas se você preferir passar a tarde fazendo bolinhas de sabão, sem problemas: no Catavento você puxa uma corda e faz a bolha do tamanho de um pneu de trator. Tudinho com a supervisão dos monitores.
Ali você também ouve o barulho das estrelas e descobre como é um sol partido ao meio. Além disso, vê ossos de bichos e de gente e entende como nasceu o universo.
Ufa! Se você gastar muita energia com o passeio e ficar com fome, tem comida por perto. O Café com a Lua, lojinha de gostosuras do Catavento, abrirá a partir do dia 25. Enquanto isso, leve seus pais no Mercado Municipal (R. da Cantareira, 306) e proponha ali uma nova experiência: pela boca, é claro!

Espaço Catavento. Pq. Dom Pedro II, Centro, São Paulo. (11) 3315-0051. Das 9 h às 17 h (fecha 2ª). R$ 6. Quer saber mais? Então clique aqui.

Fernanda Araújo
Publicado em 15/05/2010

Disponível em: http://blogs.estadao.com.br/estadinho/category/giro-paulistinha/
Acesso em: 26/05/2010

"AULA" DE RECICLAGEM

Um professor inventa uma máquina para reciclar o lixo, mas é sequestrado. Para ajudá-lo, sua aluna Nerd 1 cria “Eu”, um avatar que sai da tela do computador e ganha vida, por um tempinho. Na luta contra os vilões, “Eu” se junta a Leonardo Del Vinte, o inventor da fórmula da juventude.
A aventura ecológica está no filme A Casa Verde, em cartaz nos cinemas. Mas também poderia estar na aula de ciências, informática e até história.
É tudo em clima de gibi. Sabe aquela sombra que aparece em algumas histórias em quadrinhos? Pois é, no filme tem até esse detalhe. A “sombra” é devido à ”rotoscopia”: ou seja, a pintura dos quadros (frames) do filme após a gravação das cenas.
Esquisito, não é? Mas é bom saber, para explicar para os adultos, que o “defeito de iluminação” é, na verdade, uma técnica, usada pela primeira vez em um longa-metragem nacional. Legal!
A Casa Verde. Direção de Paulo Nascimento. Em São Paulo, está em cartaz nos cinemas: Bourbon, Cine Tam, Frei Caneca Unibanco Arteplex e Interlar Aricanduva.

Fernanda Araújo
Publicado em 04/05/2010

Acesso em: 26/05/2010


Copa das crianças


A Copa do Mundo está chegando e já, já as cores verde e amarela vão colorir a cidade.
Para falar sobre a paixão do brasileiro pelo futebol, a TV Cultura produziu cinco curtas-metragens, que serão exibidos no canal a partir de sábado.
Os personagens principais são sempre crianças, assim como os narradores.
No curta “Paixão Verde e Amarela”, bicicleta, boné, camiseta, janelas, tudo é pintado com as cores do Brasil.
Em “Sai Pra Lá Urucubaca", uma menina se prepara como se fosse disputar um jogo importante. Veste uniforme, separa pimenta e figa para dar sorte, mas depois descobrimos que seus planos eram outros.
Já no curta “Como Se Joga Futebol”, as crianças jogam futebol de botão e pebolim no porão de sua casa. Depois, vão para a rua jogar um futebol improvisado: o campinho é desenhando no chão com giz e uma garrafa PET vira a bola. O curta mistura animação e ficção.
Em “Um Dia Muito Especial”, duas crianças vão pela primeira vez a um estádio de futebol, acompanhados pelo seu pai. E em “Esquadrão de Ouro”, uma menina escala toda a família em seu time de futebol do videogame. Até o cachorro Totó entra na escalação.
Os miniprogramas fazem parte do projeto "El Mundial Y Yo" (que significa "O Mundial E Eu"), em que cinco países produzirão 26 curtas-metragens sobre futebol. Todos os curtas serão exibidos nos cinco países, mas ainda não se sabe a data de exibição dos filmes estrangeiros no Brasil.

Crianças se divertem no porão no curta "Como Se Joga Futebol"

Gabriella Mancini
Publicado em: 20/05/2010
Acesso em: 26/05/2010

Série A Minha Copa do Mundo
Exibida aos sábados, às 16h, e domingos, às 12h, na TV Cultura

QUAL (IS) DAS RESENHAS QUE VOCÊ LEU O (A) DEIXOU MAIS CURIOSO (A) E COM VONTADE DE ASSISTIR OU CONHECER SOBRE O TEMA?COMENTE.

12 comentários:

Anônimo disse...

Verô,
o que eu mais gostei foi ponte para Terábitia, embora já o conheci então o que me deixou mais curiosa e com vontade de assistir foi "aula de reciclagem".Pois tem tudo o que você falou e me chamou muita atenção!!!



BJS Gabi Esquerdo-5ºA!!!!!!!

Anônimo disse...

Eu adorei o Peter Pan , que fala que vai nos levar numa aventura em 3D e dá aquela vontade de ir assistir.

Raquel 5ºA

João Vitor disse...

Verô,
a resenha que eu mais gostie foi de ponte para tetabitia.Porque?Eu gostei,porque o filme com essa resenha ficou super legal e logo quando acabei de ler fui ver o filme na minha casa!!

Anônimo disse...

Oi vero ,
Eu gostei bastante de Ponte para Terabitia, embora eu ja tivesse assistido vi que a descriçao do filme e comentarios esta de acordo ! Chorei muito quando vi Ponte para Terabitia eu sempre me ponho no lugar do personagem do filme e imagino que vc minha melhor amiga e como sou muito emocional e um tanto chorona , choro bastante . O filme que mais chorei foi marley , porque todos os bichinhos que tive morreram de doenças e em muito pouco tempo!!!!!
No meu caso o lenço nao seria nescessario , seria nescessario um balde !rsrsrsrsrsrsrsrs!
Eu ja fiz muitas resenhas e acho que elas servem nao so para elogiar, recomendar e criticar servem par DIVULGAR algo tambem !
Quero falar que eu foi numa peça de teatro no teatro cleyde yaconis no centro empresarial do aço na av do cafe ,227 ao lado do metro conceiçao e tenho 5 folhetos que oa apresentados na recepçao do teatro vale um ingrsso gratis para uma criança ate 12 anos acompanhada por um adulto pagante estou disposta a dalos se alguem estiver interessado eh so pedir eh muito legal a peça !
Quero falar de uma coisa vero que o que é e o que precisamos saber para escrever um texto desse tipo?
Como um gênero textual, uma resenha nada mais é do que um texto em forma de síntese que expressa a opinião do autor sobre um determinado fato cultural, que pode ser um livro, um filme, peças ...
O objetivo da resenha é guiar o leitor pelo emaranhado da produção cultural que cresce a cada dia e que tende a confundir até os mais familiarizados com todo esse conteúdo.Como uma síntese, a resenha deve ir direto ao ponto, mesclando momentos de pura descrição com momentos de crítica direta. O resenhista que conseguir equilibrar perfeitamente esses dois pontos terá escrito a resenha ideal.No entanto, sendo um gênero necessariamente breve, é perigoso recorrermos ao erro de sermos superficiais demais. Nosso texto precisa mostrar ao leitor as principais características do fato cultural, sejam elas boas ou ruins, mas sem esquecer de argumentar em determinados pontos e nunca usar expressões como “Eu gostei” ou “Eu não gostei”.Contudo, as resenhas apresentam algumas divisões que vale destacar. A mais conhecida delas é a resenha acadêmica, que apresenta moldes bastante rígidos, responsáveis pela padronização dos textos científicos. Ela, por sua vez, também se subdivide em resenha crítica, resenha descritiva e resenha temática.
Na resenha acadêmica crítica, os oito passos a seguir formam um guia ideal para uma produção completa:
1.Identifique a obra: coloque os dados bibliográficos essenciais do livro ou artigo que você vai resenhar;
2.Apresente a obra: situe o leitor descrevendo em poucas linhas todo o conteúdo do texto a ser resenhado;
3.Descreva a estrutura: fale sobre a divisão em capítulos, em seções, sobre o foco narrativo ou até, de forma sutil, o número de páginas do texto completo;
4.Descreva o conteúdo: Aqui sim, utilize de 3 a 5 parágrafos para resumir claramente o texto resenhado;
5.Analise de forma crítica: Nessa parte, e apenas nessa parte, você vai dar sua opinião. Argumente baseando-se em teorias de outros autores, fazendo comparações ou até mesmo utilizando-se de explicações que foram dadas em aula. É difícil encontrarmos resenhas que utilizam mais de 3 parágrafos para isso, porém não há um limite estabelecido. Dê asas ao seu senso crítico.
6.Recomende a obra: Você já leu, já resumiu e já deu sua opinião, agora é hora de analisar para quem o texto realmente é útil (se for útil para alguém). Utilize elementos sociais ou pedagógicos, baseie-se na idade, na escolaridade, na renda etc.
7.Identifique o autor: Cuidado! Aqui você fala quem é o autor da obra que foi resenhada e não do autor da resenha (no caso, você). Fale brevemente da vida e de algumas outras obras do escritor ou pesquisador.
8.Assine e identifique-se: Agora sim. No último parágrafo você escreve seu nome e fala algo como “Acadêmico do Curso de Letras da Universidade de Caxias do Sul (UCS)”
Continua

Anônimo disse...

Na resenha acadêmica descritiva, os passos são exatamente os mesmos, excluindo-se o passo de número 5. Como o próprio nome já diz, a resenha descritiva apenas descreve, não expõe a opinião o resenhista.
Finalmente, na resenha temática, você fala de vários textos que tenham um assunto (tema) em comum. Os passos são um pouco mais simples:
1.Apresente o tema: Diga ao leitor qual é o assunto principal dos textos que serão tratados e o motivo por você ter escolhido esse assunto;
2.Resuma os textos: Utilize um parágrafo para cada texto, diga logo no início quem é o autor e explique o que ele diz sobre aquele assunto;
3.Conclua: Você acabou de explicar cada um dos textos, agora é sua vez de opinar e tentar chegar a uma conclusão sobre o tema tratado;
4.Mostre as fontes: Coloque as referências Bibliográficas de cada um dos textos que você usou;
5.Assine e identifique-se: Coloque seu nome e uma breve descrição do tipo “Acadêmico do Curso de Letras da Universidade de Caxias do Sul (UCS)”.
Conclusão
Fazer uma resenha parece muito fácil à primeira vista, mas devemos tomar muito cuidado, pois dependendo do lugar, resenhistas podem fazer um livro mofar nas prateleiras ou transformar um filme em um verdadeiro fracasso.
As resenhas são ainda, além de um ótimo guia para os apreciadores da arte em geral, uma ferramenta essencial para acadêmicos que precisam selecionar quantidades enormes de conteúdo em um tempo relativamente pequeno.
Agora é questão de colocar a mão na massa e começar a produzir suas próprias resenhas!
beijos da isa ruivo

Rafa* Vitali 5°A disse...

Verô,
Adorei todas as resenhas, mas a que mais chamou a minha atenção, foi "Copa das crianças", pois fala sobre cinco filmes que a TV Cultura lançará apartir de sábado, falando sobre futebol, que é um tema super atual por estarmos na véspera do inicio da Copa do Mundo na Africa do Sul!!!

Bjsss Rafa*

Anônimo disse...

Oi Verô!!
A resenha que mais chamou minha atenção foi a "Copa das crianças"
Pois a Tv cultura lançará cinco filmes falando sobre futebol e adoro futebol!!!

Bjs Rô*♥

Anônimo disse...

Verô,
A resenha que mais me chamou a atenção foi a resenha do Peter Pan, pois fala as mudanças que ocorrem.Conta até que tem imagem em 3D.
A resenha parece falar bem da obra.
essa resenha me deu vontade de ir no dominco verp.Pois gostei muito da descrição.

tchau
Gabizinha Ruffato
do 5ºano A

Anônimo disse...

Verô
Para mim o mais legal foi Ponte para Terabítia que, além de eu ter assistido eu acho genial e muito criativo,e alem do mais ele explicou muito bem sobre o filme.
Abraçç
Léo

*MaLukEteS* disse...

Vero,
A resenha que mais me chamou a atenção e de conhecer o ambiente foi o do CATAVENTO, pois as imagens ja disem TUDO!Da para ver que é legal.

Rahira-5ºA disse...

oiii vero ,
A resenha que eu mais gostei foi " ponte para terabitia "pois em minha opinião o que faz com que o leitor fique com vontade de assistir ou ler o livro e etc... sao os detalhes ,e em " ponte para terabitia " os dados da obra estao " destacados " no começo do texto , e o resumo e comentario estao faceis de localizar porque o autor nao os misturou ! Ele tambem fez varias criticas ( coisa que eu acho bem legal fazer em resenhas ), e a maioria dos verbos estao no presente: detalhe ( coisa que nao percebemos quando lemos alguma coisa mas que faz muita diferença ). Enfim como ja deu pra perceber eu adoro detalhes e organizaçao mesmo quando se trata de uma resenha !!!!!
hsuahsaushaushaushaushaushuashu
Bjssssss Rah*

Profª Veronice Leal disse...

Vocês estão escrevendo "beeemmmm" melhor, hein?...
Cada comentário mais elaborado que o outro!
Estou adorando!!
Fico tão FELIZ!!!
Beijos.